Único - livro Meu nome é ébano – A vida e a obra de Luiz Melodia

“Meu nome é ébano”: a história de Luiz Melodia

OUÇA O POST EM PODCAST

A trajetória do cantor e compositor de “Pérola Negra” e “Juventude Transviada”, que desceu do morro para a fama nacional, é contada em biografia.

Luiz Melodia deixou um legado inesquecível na história da música brasileira, especialmente por canções que se tornaram clássicas, como “Pérola Negra”, “Juventude Transviada” e “Estácio, Holly Estácio”. Em boa hora, sua trajetória é resgatada e contada no livro Meu Nome é Ébano: a vida e a obra de Luiz Melodia, do jornalista Toninho Vaz, lançado em comemoração ao terceiro aniversário da morte do cantor e compositor.

Luiz Carlos dos Santos (1951–2017) cresceu na favela no Morro de São Carlos, no Rio de Janeiro, e despontou para a fama amadrinhado por Gal Costa, que gravou “Pérola Negra”. Sob os holofotes como um dos grandes compositores da música brasileira, ganhou a fama de rebelde, boêmio, “maldito”, até por se recusar a seguir o roteiro imposto pelas gravadoras para sua carreira.

Gal Costa deu o empurrão inicial na carreira de Melodia ao incluir “Pérola Negra” no repertório do disco/show Fa-Tal – Gal a Todo Vapor, em 1971. Esse disco duplo consagrou a própria Gal para além do título de musa do Tropicalismo. Em seu disco seguinte, Índia (1973), a cantora gravou “Presente Cotidiano”, composta por Melodia especialmente para ela. O primeiro álbum de Melodia, devidamente batizado de Pérola Negra, foi lançado naquele mesmo ano.

Confira abaixo Gal revisitando o clássico de Luiz Melodia dez anos mais tarde, em 1981, já como uma das estrelas de primeira grandeza da MPB.

Escrito a partir de mais de 60 entrevistas, o livro abrange a trajetória de Melodia desde seus primeiros passos na música, ainda adolescente, sua descoberta no Morro de São Carlos pelo pintor carioca Hélio Oiticica (1937 – 1980), que o introduziu a Waly Salomão (1943 – 2003), lendária figura do cenário artístico do Rio e mentor do show Fa-Tal, de Gal Costa.

Meu Nome é Ébano, que empresta o título de uma de suas canções mais famosas, retrata também as lutas de um artista negro vindo do morro em plenos anos de ditadura militar no Brasil.

Com 336 páginas, é um lançamento da editora Tordesilhas e custa R$ 55,00 em papel e R$ 38,50 em ebook. Clique aqui para comprar na Amazon.

https://www.instagram.com/homemunico/

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia também
Documentários para matar a fome dos fãs do esporte
Documentários para matar a saudade do esporte